Notícias : Companhia aérea não permite a entrada de um pai e do seu bebé: Foi então que uma enfermeira reformada salvou o dia

Companhia aérea não permite a entrada de um pai e do seu bebé: Foi então que uma enfermeira reformada salvou o dia

Rubin não entendeu. Quando finalmente entendeu, ele congelou com o aparelho.

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
116 116 Partilhas

Companhia aérea não permite a entrada de um pai e do seu bebé: Foi então que uma enfermeira reformada salvou o dia

Para a maioria das pessoas, ter um filho é uma das melhores sensações da vida. Claro, é também assustador, especialmente se não tivermos quem nos ajude.

Rubin Swift deixou a sua casa em Cleveland, Ohio, para ir buscar a sua filha recém-nascida em Ohio, Phoenix. Ele tinha a sua custódia, e estava felicíssimo por conhecer a sua filha com quatro dias, Ru-Andria.

Rubin mal conseguia esperar para trazer a sua filha para casa, para os seus amigos e familiares a conhecerem.

Contudo, quando chegou ao aeroporto Sky HarborInternational com Ru-Andria para viajar de avião, ele foi impedido. 

Apesar de os médicos terem permitido que Ru-Andria viajasse, a companhia aérea, Frontier, não o queria permitir.

Aparentemente, eles têm uma política que impede que bebés com menos de 7 dias de idade possam viajar, de acordo com azfamily.com.

Preso numa cidade que não conhecia, e sem ninguém que o ajudasse, Rubin entrou em pânico.

O que faria ele e Ru-Andria?

Ele lembrou-se então de uma mulher idosa que tinha conhecido no hospital. JoyRinghofer era uma voluntária na Banner University Medical Centere tinha pegado em Ru-Andria, pouco depois de ter nascido. 

Quando Rubin entrou na sala, ele e Rubin deram-se muito bem. Criaram logo uma amizade.

Era pedir muito, mas não tinha para onde ir. Rubin telefonou a Joy e explicou-lhe a sua situação complicada.

Felizmente, Joy não hesitou por um segundo. Como Rubin confirmou, o que ela fez foi muito especial: “Não esperava que ela dissesse,”Vou levar-te a casa”. Por isso fiquei a pensar, “Ela vai levar-me de volta a Cleveland”, mas ela acabou por me levar até a sua casa, onde nos alimentou e certificou-se que o bebé estava bem.”

O que se passou durante os três dias seguintes provou que ainda existem pessoas boas pelo mundo.

Veja o vídeo para saber o que aconteceu: 

Fico feliz por ver alguém, tão simpático como Joy. Apesar de ela não conhecer Rubin muito bem, abrigou-o de braços abertos, e esforçou-se imenso quando ele precisou de ajuda.

Partilha este artigo com os teus amigos se achas que Joy merece ser honrada.

Partilhar no Facebook
116 116 Partilhas

Fonte: newsner · Crédito foto: newsner

Goste/partilhe