Notícias : Em Paris, até mesmo a polícia deixa a Cofyshop com um saco de cannabis
Que acha? Deixe o seu comentário aqui.  

Em Paris, até mesmo a polícia deixa a Cofyshop com um saco de cannabis

Cannabis legal faz reagir!

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
54 54 Partilhas

Em Paris, até mesmo a polícia deixa a Cofyshop com um saco de cannabis

A Cofyshop, a nova loja de cannabis em Paris, abriu na terça-feira e tem sido um enorme sucesso desde então.

"Nós tivemos um ótimo começo. O pico foi sábado, tínhamos cerca de 500 pessoas alinhadas em frente à loja. De repente, acabamos de contratar dois seguranças ", disse Joaquim Lousquy, o homem por detrás deste audacioso projeto, numa entrevista ao Parisien.

O empresário de 29 anos também é proprietário da Xdolls, um "bordel de bonecas sexuais" no bairro Pernety (século XIV), onde podem ser alugados seios de silicone em tamanho real para satisfazer as suas necessidades por 89 euros por hora.

“Aqui, é um pouco de Amsterdão em Paris, mas só encontrará produtos com menos de 0,2% de THC, conforme exigido por lei", diz o empresário.

Em novembro, o Ministério da Saúde informou que a presença de CBD (canabidiol) em produtos de consumo "parecia legal", desde que o nível de THC seja de 0,2% ou menos.

Cheirando o bom negócio, Joaquim decidiu abrir um oferecendo cannabis sem ou quase sem THC.

Os clientes da Cofyshop são muito diversificados segundo Joaquim que diz ter servido "jovens, como velhotes de 90 anos”.

"Nós até tivemos policiais que saíram com os seus saquinhos", acrescentou.

Baixos níveis de THC (0,2%) tornariam, virtualmente, inexistentes as propriedades psicotrópicas das drogas, deixando apenas o lado relaxante e calmante.

"Vale a pena. Eu não gosto de estar “mocado”... Acalma com um bom cheiro e deixa-nos de bom humor. O THC de 0,2% é perfeito ", escreveu um utilizador no Twitter.

"Cofyshop, ou cannabis legal ambulante. Seria esse o começo da legalização? "Pergunta outro.

Mas a chegada da loja não deixa toda a gente feliz!

"Cheira a haxixe na rua. Chega-nos a casa! ", reclamou Marlene à imprensa.

Pacôme Rupin, um eurodeputado de 33 anos (LREM), também esteve presente no sábado.

"Houve uma mudança de lei. Este senhor está envolvido na brecha, mas vamos olhar de perto ", disse o deputado.

"Precisamos de redefinir urgentemente a nossa estrutura legal de diferentes usos da cannabis, distinguir o que é perigoso e o que não é, e enquadrar cada uso estritamente", insiste o presidente da Federação Francesa de Dependência, Amine Benyamina.

"Os comerciantes do templo estão a correr para a brecha. Eles vendem produtos incontroláveis e não têm rastreabilidade real, tudo isso é puro negócio!" 

Partilhar no Facebook
54 54 Partilhas

Fonte: Ayoyemonde
Crêdito foto: Ayoyemonde

Goste/partilhe