Notícias : Mulher com cancro terminal a quem foram dados três meses de vida - salva-se milagrosamente após terapia inovadora

Mulher com cancro terminal a quem foram dados três meses de vida - salva-se milagrosamente após terapia inovadora

Ela foi informada de que ia morrer. Então uma decisão mudou tudo.

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
2,393 2.4k Partilhas

Mulher com cancro terminal a quem foram dados três meses de vida - salva-se milagrosamente após terapia inovadora

Não é nenhum segredo que o cancro destrói vidas todos os dias. O diagnóstico pode ser desagradável, os tratamentos - mesmo quando bem-sucedidos - são rigorosos e cansativos, e no final do caminho não há certeza de que o paciente viverá.

Cientistas e pesquisadores continuam a trabalhar obstinadamente para encontrar a "cura" milagrosa para o cancro, embora uma solução que funcione de maneira igual em todas as formas da doença se tenha mostrado extremamente ilusória até ao momento.

Nos últimos anos, mais pessoas recorreram aos remédios naturais para combater o temido Cancro, desviando-se da quimioterapia e da radioterapia e, em vez disso, adotando mudanças na dieta e coisas do género. Vários exemplos de histórias de sucesso vêm à mente, embora dizer que esse é o caminho definitivo está longe de ser um fato concreto.

Judy Perkins recebeu uma sentença de morte em 2013 - ela foi diagnosticada com cancro de estágio quatro que se espalhou rapidamente por todo o seu corpo. Tendo aceitado que o fim amargo estava próximo, ela procurou um tratamento experimental ... o resto, poderia literalmente ser história. 

Em 2003, Judy fez uma mastectomia e teve que remover os linfonodos. Apenas 10 anos depois, no entanto, ela encontrou outro caroço, e dessa vez o seu cancro estava no estágio quatro.

Ela passou por quimioterapia e tratamentos hormonais, mas o cancro continuou a se espalhar. Em dois anos, chegou ao peito e ao fígado, dando-lhe um prognóstico extremamente contundente.

“Eu percebi que iria morrer e era aí que a minha mente estava. Eu senti-me mal pela minha família, mas fiquei grata pela vida que tive ”, disse ela, de acordo com Liftable.

Tendo-se resignado à ideia de que os seus dias estavam contados, Judy optou por uma rota mais experimental quando se deparou com a pesquisa do dr. Steven Rosenburg. Dr. Rosenburg é especialista em imunologia e trabalha com o Centro Nacional para Pesquisa do Cancro do Instituto Nacional do Cancro.

O seu trabalho gira em torno da teoria de que o sistema imunológico de um paciente pode ser aprimorado para melhor combater as células cancerígenas.

Ele explica: “O corpo tem centenas de bilhões de linfócitos e em algum lugar no corpo de um paciente com cancro há linfócitos, supomos, que poderiam reconhecer o que era diferente sobre o cancro.

“Foi essa hipótese, foi esse sonho, que nos levou a tentar identificar as células que estavam atacando o cancro e usá-las para realmente desenvolver um tratamento contra o cancro.

Tendo conduzido muitos ensaios clínicos, o Dr. Rosenburg descobriu que uma célula específica chamada célula T era eficaz no combate a certas células cancerígenas, desde que não fosse superada em número.

Com este último fato em mente, ele começou a extrair células T de pacientes com cancro e multiplicá-las, transformando-as efetivamente em exércitos de células que combatem o cancro. Ele então infundiria-as no sistema do paciente.

Quando Judy Perkins e Dr. Rosenburg se juntaram, este foi exatamente o tratamento que ele ofereceu.

Milagrosamente, em pouco tempo, Judy começou a ver a diferença.

“Eu acho que fazem 10 dias desde que eu tive as células, e eu já posso sentir o tumor a começar a ficar macio. Então eu estava tipo, "Poça, isso está realmente a funcionar", disse ela.

Agora, dois anos e meio depois do seu tratamento com células T, Judy está livre do cancro. O próprio Dr. Rosenburg acredita que o tratamento ainda está a fucionar dentro do seu corpo.

“Circulando no seu corpo há um grande número de células que administramos nela dois anos e meio atrás. Este é apenas um tratamento necessário porque as células estão vivas. Eles fazem parte de Judy. Elas são Judy Perkins ”, disse ele.

Embora este tipo de imunoterapia ainda esteja nos seus estágios iniciais, pode ser um passo inovador na luta contra uma doença que tem sido um dos inimigos mais obstinados da humanidade.

Partilhar no Facebook
2,393 2.4k Partilhas

Fonte: Newsner · Crédito foto: Newsner

Goste/partilhe