Notícias : Um casal fica feliz com o nascimento das suas filhas – depois o médico entra no quarto e diz “lamento”

Um casal fica feliz com o nascimento das suas filhas – depois o médico entra no quarto e diz “lamento”

As duas palavras que você nunca quer ouvir.

Publicado por Vamos lá Portugal em Notícias
Partilhar no Facebook
88 88 Partilhas

Um casal fica feliz com o nascimento das suas filhas – depois o médico entra no quarto e diz “lamento”

Quando se ouve um “lamento”, normalmente isso é seguido de uma má notícia.

Em casos sérios, o que se segue a um “lamento” pode mudar a nossa vida para sempre.

Quando Matt e Jodi Perry ouviram essa palavra no hospital há seis anos atrás, os seus corações pararam.

Era a segunda vez que iam ser pais, portanto estavam entusiasmados e nervosos. Já tinham tido um filho saudável e planeavam receber dois novos anjos na família – ele estavam à espera de gémeos.

No entanto, a felicidade de ambos tornou-se em ansiedade rapidamente.

Um médico chamou o casal a uma pequena sala de espera e sussurrou a palavra que virou-lhes o mundo do avesso… “lamento”.

Os pais Matt e Jodi ficaram chocados quando o médico explicou-lhes que as gémeas prematuras, Abigail e Isobel, foram diagnosticadas com síndrome de Down.

Mas foi aquela palavra que mais a chocou. 

Não a palavra propriamente dita, mas sim a forma como foi dita. De acordo com Jodi, o médico fez com que os diagnósticos parecessem um “castigo para a vida”.

As gémeas nasceram mais cedo e tiveram que ficar na unidade de cuidados intensivos neonatais durante quatro semanas.

“Naquele dia não me senti uma mãe. Senti-me perdida e confusa. Tinha imagens de um futuro desolador na minha cabeça. Pensei que íamos ser cuidadores até morrermos”, explicou Jodi. 

Estatisticamente falando, Abigail e Isobel são crianças extremamente raras. A probabilidade de dar à luz gémeos e ambos terem síndrome de Down é de 1 em 1 milhão.

Posto isto, as meninas nasceram com vários problemas de saúde. Abigail é surda de um ouvido, enquantoIsobel nasceu com um buraco no coração. 

Claro que isto é algo que ninguém quer ouvir do médico. Mas o casal teve que encarar a dura realidade. 

Infelizmente, o casal teve pouco apoio em relação a informação acerca da síndrome de Down.

Ninguém disse que o casal podia viver vidas felizes e normais tal e qual às outras famílias. 

Posto isto, o casal ficou extremamente receoso.

Eles não sabiam se as suas filhas poderiam ir à escola como as crianças normais. E nem sabiam se elas iam conseguir andar. 

A família teve que fazer tudo por si mesma; teve que descobrir sozinha.

Havia aqueles que simpatizavam com as crianças e tinham pena delas, mas Abigail e Isobel sobreviveram com o amor dado pelos amigos próximos da família. 

“Quando o médico falou à parte connosco para nos dar os resultados, ele disse que lamentava que as gémeas tivessem síndrome de Down. Até o dia de hoje, não sei porque é que ele lamentava”, disse Jodi.

“E penso que se o encontrássemos outra vez, eu apresentá-lo-ia às gémeas e perguntava “porque é que disse que lamentava? Eu não as mudava por nada neste mundo”.

Hoje – seis anos depois – as meninas provaram os perigos do preconceito devido à ignorância. 

Qualquer ser humano merece uma oportunidade na sua vida. As gémeas são um perfeito exemplo disto.

Veja esta família. Quem é que conseguiria dizer que não é uma família feliz?

Podemos todos aprender uma lição importante com Matt e Jodi: podemos ser mais felizes do que pensamos, independentemente da nossa situação. 

As pessoas com síndrome de Down deveriam ter as mesmas oportunidades que todos os outros.

Partilhar no Facebook
88 88 Partilhas

Fonte: newsner · Crédito foto: newsner

Goste/partilhe